Anterior


APOIO 26 AGOSTO B

25/08/2018

Anterior

Próxima


Cortando o Mal pela raiz

25/08/2018

Próxima
25/08/2018
O Fariseu e o Publicano

O Fariseu e o Publicano
Por: Pastor Joel Siqueira

Esta é a minha bíblia, a palavra de Deus, o alimento da minha fé, a lâmpada para os meus pés, a luz para o meu caminho, o martelo que me quebra, o fogo que me queima. Eu abro o meu coração para receber e praticar suas verdades sagradas. E que Deus me ajude.

Sermão 1287EVG, Arquivo:  Lc18,9ª14EVG1287

Lucas 18:9-14 – O fariseu e o publicano.

Pregado em:

1)   PIB de Osvaldo Cruz em 12/08/18 dom 18h00. Dia dos pais.

2)   ..........................................................................................

9 Jesus também contou esta parábola para os que achavam que eram muito bons e desprezavam os outros:

10  —Dois homens foram ao Templo para orar. Um era fariseu, e o outro, cobrador de impostos.

11  O fariseu ficou de pé e orou sozinho, assim: “Ó Deus, eu te agradeço porque não sou avarento, nem desonesto, nem imoral como as outras pessoas. Agradeço-te também porque não sou como este cobrador de impostos.

12  Jejuo duas vezes por semana e te dou a décima parte de tudo o que ganho.”

13  —Mas o cobrador de impostos ficou de longe e nem levantava o rosto para o céu. Batia no peito e dizia: “Ó Deus, tem pena de mim, pois sou pecador!”

14  E Jesus terminou, dizendo: —Eu afirmo a vocês que foi este homem, e não o outro, que voltou para casa em paz com Deus. Porque quem se engrandece será humilhado, e quem se humilha será engrandecido.

Introdução:

Existe um sentimento que cada um de nós precisa ter em certa medida saudável, é a autoconfiança. Ela é uma atitude que precisa estar evidente em nossa vida profissional, estudantil e familiar.

Quando nos voltamos para a vida religiosa no entanto, principalmente quando nos apresentamos diante de Deus, a autoconfiança precisa ser transformada em “FÉ”. Chegar de cabeça erguida diante de Deus é muito perigoso, afinal de contas, Deus é Deus e nós somos pecadores.

 

Jesus termina a história dizendo:

...quem se engrandece será humilhado, e quem se humilha será engrandecido

 

Nossa história tem a ver com se apresentar diante de Deus em oração, em busca, para um encontro pessoal no cenário do templo. Ela é precedida por uma outra história que também tem a ver com o tema da oração, a do juiz e da viúva que, de tanto procurar, encontrou justiça. Ela nos ensina que a oração deve ser perseverante.

Nosso texto vai nos ensinar agora como devemos orar, como devemos nos apresentar diante do ETERNO DEUS, criador dos céus e da terra.

Vale apena citar que entre as duas parábolas Jesus faz uma pergunta interessante;

V8 ... Mas, quando o Filho do Homem vier, será que vai encontrar fé na terra?

 

Temos encontrado fé nos dias de hoje? De que tipo? Do tipo “fast food” que procura resultados rápidos, que coloca Deus na parede, que nos isenta de obediência, basta apenas praticar atos religiosos...???

Tanto a perseverança quanto o tipo de oração que devemos fazer devem ser baseadas numa fé genuína, que sabe quem é Deus e sabe quem somos nós mesmos.

O que podemos aprender aqui em nossa história do fariseu e do publicano?

1.  O coração do fariseu.

Mostra-nos uma fé religiosa que o faz subir ao templo construído no monte Moriá por Salomão, reconstruído por Esdras na volta do cativeiro da babilônia e depois reformado pelo rei vassalo de Roma, Herodes, que assim queria agradar os judeus e pacifica-los.

O fariseu mostra um hábito saudável, o de orar, que entre os judeus era geralmente às 9h e às 15h nos lugares apropriados do templo (homens x mulheres).

Sua oração, no entanto, parece que o coloca não no alto do templo, mas no alto de um pedestal olhando num espelho que refletia a si mesmo e, ao que parece, o fazia gostar do que via.

Não sabia porém dos ensinos de Jesus em Mateus 7:21 —Não é toda pessoa que me chama de “Senhor, Senhor” que entrará no Reino do Céu, mas somente quem faz a vontade do meu Pai, que está no céu.

Sua oração porém parecia mais um solo do que um dueto, mais um monólogo do que um diálogo. Não estava orando a Deus estava informando a Deus a seu respeito, Deus não era o centro da oração ele era.

O fariseu começou bem sua oração, com agradecimento, assim devemos fazer quando orarmos, mas parou por aí. Agradecendo, agradecendo e agradecendo por si mesmo, suas práticas e bons hábitos. Agradeceu inclusive por não ser igual ao publicano ali perto.

Sua auto imagem era muito positiva. Gerenciava bem suas finanças: “Não sou avarento, nem desonesto, sou dizimista fiel de tudo”...

Se pudéssemos aprender com ele a cuidar bem de nossas finanças teríamos muita prosperidade na vida dos fiéis.

Sua fidelidade no uso do dinheiro o afastava das práticas ilícitas da época: “suborno, corrupção, engano, caixa 2” prática antiga que infelizmente coloca o Brasil num patamar negativo aos olhos do mundo.

A prática de oração do fariseu o levava a jejuar 2 vezes por semana, um hábito desenvolvido após o cativeiro da babilônia pois, na lei de Moisés, se esperava o jejum uma vez por ano no dia da expiação, do perdão nacional dos pecados (Levítico 16:29-31).

Imaginem o que aconteceria se nós aprendêssemos a orar assim e a jejuar com regularidade sincera...

Porém, este fariseu religioso e eticamente correto, cometeu dois erros graves:

a) Exaltou-se diante de Deus.

b) Se comparou com os outros.

Foi bem diferente, por exemplo, com Jó. Diz a bíblia que o próprio Deus deu testemunho de Jó:

Jó 1:8 (NTLH)  Aí o SENHOR disse: —Você notou o meu servo Jó? No mundo inteiro não há ninguém tão bom e honesto como ele. Ele me teme e procura não fazer nada que seja errado.

 

Foi diferente também com o profeta Isaías que, quando se viu diante de Deus em seu culto no templo, percebeu seu problema grave e disse:

Isaías 6:5 (NTLH) Então eu disse: —Ai de mim! Estou perdido! Pois os meus lábios são impuros, e moro no meio de um povo que também tem lábios impuros. E com os meus próprios olhos vi o Rei, o SENHOR Todo-Poderoso!

 

A oração do fariseu mais parecia um discurso de “defesa pessoal” onde exalta suas qualidades e diz em alto e bom som EU SOU.

Quando caímos no erro de dizer: EU SOU cometemos outros:

·      EU SOU por isso EU NÃO PRECISO.

·      EU SOU por isso EU NÃO ME ARREPENDO.

·      EU SOU por isso EU NÃO DEPENDO.

·      EU SOU por isso EU SOU MELHOR.

Quantas vezes as pessoas se parecem com este fariseu.

Certa vez evangelizei um homem que disse não se pecador. Tentei encontrar seus pecados e não consegui até que ele disse que certa vez bateu num cachorro. Aí aproveitei e disse: Seu pecador, bateu num animal inocente.

 

Você pode até ser alguma coisa, mas lembre-se de que, diante de Deus você não é ELE É!

A ele a glória, a ele a honra, a ele o poder! Aleluia!

O segundo erro foi comparar-se com os outros, mania que sempre os segue de perto. O olhar horizontal que nos faz subir mais e rebaixar os outros.

Havia uma propaganda muito interessante sobre isso. Quando o grupo ia tirar uma foto um personagem levantava os pés... numa reunião um participante levantava a cadeira...

A mania de querer ser melhor nos faz por exemplo praticar esportes de competição que na verdade geram mais frustração do que crescimento pessoal, basta ver o rosto dos que perdem. Dezenas vão chorar para apenas um se alegrar.

Não fique preocupado você esportista pois até entre os religiosos acontece algo semelhante, queremos pregar melhor que os outros, gerenciar melhor... orar melhor... ser melhor sucedido...

Quantas vezes esquecemos dos ensinos de Jesus que dizia:

Mateus 7: 1 (NTLH) —Não julguem os outros para vocês não serem julgados por Deus.

 

O fariseu olhou para o lado e esqueceu de olhar para cima.

Sempre que olhamos para os lados perceberemos as grandes diferenças entre as pessoas, mas sempre que olhamos para cima perceberemos a enorme e gritante diferença entre Deus e nós mesmos.

Aprenda que orar é olhar para cima e não para os lados.

Geralmente, quem ouve o evangelho e continua olhando para os lados, tem dificuldades de se converter. Olha para um crente ainda carnal... olha para os amigos que provavelmente irão rejeitar sua fé... olha para os familiares que poderão não entender esta nova caminhada espiritual... Olha para os defeitos dos fiéis que sempre existirão...

Hoje Deus vem nos ensinar OLHA PARA CIMA!

(T) Além de aprendermos sobre o coração do fariseu também aprendemos outra coisa:

2.  O coração do publicano.

Publicano era um agente a serviço do governo romano, geralmente terceirizado entre os próprios judeus. Cobravam impostos e repassavam aos seus supervisores e estes aos romanos. Jesus teve um discípulo que era publicano, Mateus e outro famoso foi Zaqueu.

Dizia-se dos publicanos por exemplo:

“As feras mais cruéis eram ursos e leões nas montanhas e publicanos e caluniadores nas cidades”

Um ditado que circulava nos tempos de Jesus dizia: “De cada seis publicanos é meia dúzia de homens extorsivos”.

Por estas palavras você já pode ter uma idéia do contraste e do traste que era esta raça de gente chamada “publicanos”.

Este traste de gente se mostra como alguém que precisa de algo mais, algo que sua posição não atendia, na verdade o prejudicava. Algo que ele sabia onde encontrar, em Deus e então vai busca-lo no templo, vai subir na hora da oração, vai tentar encontrar o que tanto ansiava, paz interior.

Dizia um teólogo antigo que o “homem possui um vazio do tamanho de Deus”.

Aquele homem, quem sabe, lembrou-se de alguma escritura, algum salmo, quem sabe o 46:1

Deus é o nosso refúgio e a nossa força, socorro que não falta em tempos de aflição.

 

No templo o publicano nem levanta o rosto, fica de longe, cabisbaixo, o normal era levantar e orar, mas ele não consegue. O peso de seus pecados era grande demais, ele olhava para dentro e enxergava sua situação. Não podia olhar para cima.

Usa uma frase que está pontuada com uma “exclamação” o que nos sugere som alto, firme e forte:

“Ó Deus, tem pena de mim, pois sou pecador!”

 

Era seu grito de socorro, seu clamor de aflição, seu desejo de perdão que só poderia ser encontrado nas graças e favores de Deus Pai.

Ao bater no peito sinalizava tristeza extrema, semelhante aos seguidores de Cristo diante da morte dele na cruz:

Lc23:48 (NTLH) Todos os que estavam reunidos ali para assistir àquele espetáculo viram o que havia acontecido e voltaram para casa, batendo no peito em sinal de tristeza.

 

O publicano estava triste por sua vida, seus pecados, seus maus hábitos, sua fama ruim... ao abrir seu coração se desnuda diante de Deus, mesmo porque, ele nos conhece nas entranhas de cada um de nós, no mais íntimo de nosso ser.

Esta busca me faz lembrar das palavras de Jesus que disse:

Mt 11: 28 (NTLH)  —Venham a mim, todos vocês que estão cansados de carregar as suas pesadas cargas, e eu lhes darei descanso.

 

Aquele publicano subiu as escadas do templo mas desceu as escadas da humildade.

Como você veio aqui hoje? Está subindo ou descendo?

Está se achando ou está precisando?

O publicano despiu os pés de sua alma para estar diante do Deus eterno, como dizia a bíblia:

Moisés:

Êxodo 3:5 (NTLH)  Deus disse: —Pare aí e tire as sandálias, pois o lugar onde você está é um lugar sagrado.

Eclesiastes:

Eclesiastes 5:1  Guarda o teu , quando entrares na Casa de Deus; e inclina-te mais a ouvir do que a oferecer sacrifícios de tolos, pois não sabem que fazem mal.

 

Hoje você é convidado a descalçar sua alma diante de Deus, ele conhece sua mais íntima situação, suas dúvidas e medos, seus pecados mais secretos ou mais evidentes.

(T) O texto termina nos mostrando algo tremendo que Jesus disse sobre o publicano e que me faz perguntar:

3.  Como você vai voltar para casa hoje?

...Eu afirmo a vocês que foi este homem, e não o outro, que voltou para casa em paz com Deus.

 

A Bíblia ensina em Romanos 5:1

1 (NTLH) Agora que fomos aceitos por Deus pela nossa fé nele, temos paz com ele por meio do nosso Senhor Jesus Cristo.

 

Interessante notar que dos 4 evangelhos apenas Lucas cita esta história. Lucas era médico e como tal sabia que há doenças do corpo e doenças da alma. Existe cura para os dois. O médico trata do corpo Jesus da alma.

Aprendemos ainda no texto que religião não salva ninguém. Não é uma questão de onde frequentamos mas a quem servimos, em quem acreditamos.

Doutrina não salva mas um espírito quebrantado diante de Deus lhe é precioso.

Salmos 51:17  Ó Deus, o meu sacrifício é um espírito humilde; tu não rejeitarás um coração humilde e arrependido.

 

Hoje, o mesmo Jesus que contou esta história nos faz um convite, o que já citei anteriormente e repito agora:

Mateus 11

28  —Venham a mim, todos vocês que estão cansados de carregar as suas pesadas cargas, e eu lhes darei descanso.

29  Sejam meus seguidores e aprendam comigo porque sou bondoso e tenho um coração humilde; e vocês encontrarão descanso.

30  Os deveres que eu exijo de vocês são fáceis, e a carga que eu ponho sobre vocês é leve.

 

APELO.

 










visite nossa igreja

Rua Adelaide Badajós 77
Rio de Janeiro - RJ - 21351-390
Tel: (21) 3350 8048 ou 2458 9335 Wsp 98481 6091

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
Newsletter

Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.